No passado dia 11 de Janeiro de 2018, na Igreja de São Paulo, tomaram posse os novos Órgãos Sociais da Santa Casa da Misericórdia de Serpa.

Estiveram presentes as principais entidades parceiras da Santa Casa da Misericórdia de Serpa, nomeadamente a União das Misericórdias representada pelo seu presidente, Dr. Manuel Lemos, os órgãos sociais cessantes, Dr. Ricardo Mestre, em representação da Administração Central do Sistema de Saúde, Sr. Padre José Alberto, pároco de Serpa, Enfermeiro Serafim Brissos, em representação da ULSBA, e Dra. Conceição Serpa Soares, Delegada de Saúde.

A cerimónia iniciou-se com o cântico à capela Avé Maria, de Shubert, interpretado por Mafalda Vasques, seguindo-se a abertura oficial pelo presidente da Assembleia Geral cessante, Professor Domingos Fabela, após a qual o Sr. Padre José Alberto deu a bênção aos irmãos eleitos.

No seu discurso de tomada de posse, o Sr. Provedor Dr. António Sargento, agradeceu aos antigos membros da Mesa Administrativa, aos restantes órgãos e a todos os colaboradores que garantem o funcionamento diário dos três equipamentos: Lar de S. Francisco, UCCI N. Sra. Da Guadalupe e Hospital de S. Paulo.

No seu discurso espontâneo - “falo-vos do coração” - nomeou as suas metas para a continuação do projeto iniciado pelos antigos irmãos.

O objetivo é devolver com dignidade e qualidade os cuidados de saúde prestados à população do concelho de Serpa pelos equipamentos da Santa Casa da Misericórdia de Serpa: Lar de S. Francisco, o mais antigo do concelho e no qual será preciso fazer uma remodelação para proporcionar condições para um envelhecimento ativo, começando também a projetar a construção de um novo lar; UCCI N. Sra. De Guadalupe, na qual se pretende investir e apostar em melhores resultados nos cuidados continuados e no garante de um envelhecimento com qualidade de vida, não só do doente em fim de vida mas também do doente crónico. 

No seu discurso, o Sr. Provedor Dr. António Sargento, cuja máxima é “servir e cuidar do débil e do mais necessitado”, anunciou a grande ambição de devolver o Hospital de S. Paulo à população do concelho de Serpa, através de um serviço diferenciado, com consultas da especialidade, e considerou fundamental a construção de um bloco operatório. O seu discurso ficou ainda marcado pelo seu sentido de missão, sem qualquer interesse económico, em nome dos utentes, dos funcionários e do bom nome da Santa Casa da Misericórdia de Serpa.



Autor(a): Telma Saião